NEVE ACUMULADA SOBRE TANQUES DE PETRÓLEO NO ALASKA DANIFICA AS ESTRUTURAS DE ALGUNS DELES

A empresa que opera o oleoduto Trans-Alaska chamou equipes de suporte e emergência para lidar com enormes quantidades de neve empilhadas em cima de seus tanques de armazenamento de petróleo em Valdez, que danificou a infraestrutura e exalou vapores de petróleo para o meio ambiente, o que os reguladores estaduais dizem ser violações da Lei do Ar Limpo. O incidente forçou a operadora do Terminal Marítimo de Valdez, Alyeska Pipeline Service, a retirar vários tanques de serviço, embora diga que não houve impactos nos embarques de petróleo até agora. Para tentar evitar mais danos, a Alyeska agora está enviando dezenas de empreiteiros equipados com respiradores para o trabalho árduo de remover a neve. Essas equipes estão trabalhando quase 24 horas por dia, de acordo com o porta-voz da Alyeska. Os operários, que estão trabalhando amarrados ao topo dos tanques, não podem usar arados ou ferramentas elétricas, então estão cortando blocos de neve com serras e deslizando-os para fora da borda.

Leva até duas semanas para uma equipe de 10 ou 11 pessoas remover toda a neve de cada tanque, embora não seja necessariamente o objetivo da empresa limpar completamente todos os tanques. Um comunicado da empresa diz que  “Isso está tomando um foco tremendo”, disse ela. “Fazemos as coisas de forma muito metódica, com muita segurança – leva o tempo que for necessário.” Enquanto isso, um grupo de vigilância está fazendo perguntas sobre a preparação de Alyeska e se os problemas no terminal decorrem do corte de custos sob a nova propriedade. Outros têm preocupações com a segurança do trabalhador.

Alyeska disse que sua força de trabalho está protegida, acrescentando que sua força de trabalho de remoção de neve tem se mantido estável nos últimos anos. A Alyeska é co-propriedade de afiliadas das empresas petrolíferas ConocoPhillips, ExxonMobil e Hilcorp, os principais produtores de North Slope do Alasca, e é responsável por movimentar cerca de 500.000 barris de petróleo por dia pelo oleoduto. Em Valdez, existem 14 tanques de armazenamento que retêm o óleo até que seja carregado em navios-tanque para embarque.

Remover a neve dos tanques é uma tarefa gigantesca: cada um tem um acre de tamanho e comporta até meio milhão de barris de petróleo – cerca de 2,5% da demanda diária de petróleo dos Estados Unidos. Em um e-mail enviado aos funcionários sobre a situação a Alyeska disse que vários departamentos estão “totalmente engajados” no esforço de remoção de neve, que se intensificou no final do inverno. Os funcionários “são solicitados a limitar as distrações a essas equipes enquanto se concentram nesse importante trabalho”, dizia o e-mail. Alyeska diz que o carregamento do petroleiro não foi interrompido. Mas o acúmulo de neve deixou pelo menos quatro dos tanques de armazenamento da empresa. Valdez, neste inverno, registrou sua maior quantidade de neve e sua maior profundidade de neve em uma década. Mas ao longo da vida útil do oleoduto Trans-Alasca e do terminal marítimo, a área registrou mais neve durante todo o inverno e durante os períodos de pico de 10 dias, de acordo com dados meteorológicos federais.

 

Fonte: https://petronoticias.com.br/neve-acumulada-sobre-tanques-de-petroleo-no-alaska-danifica-as-estruturas-de-alguns-deles/

Compartilhe essa notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.