Petrobras muda métrica de endividamento

A operadora de planos de saúde Hapvida, uma das maiores do país, lançou ontem um programa de recompra de ações ordinárias. A empresa pretende recomprar pouco mais de 21,7 milhões de ações em 18 meses. Essas ações correspondem a cerca de 10% dos papéis ordinários da Hapvida no mercado.

Já a Petrobras informou ontem à noite que mudará a sua métrica para medir o endividamento da empresa, por causa da forte volatilidade que ocorre nos mercados do petróleo. A estatal não usará mais a relação dívida líquida sobre o Ebitda e calculará apenas a dívida bruta total. Segundo a Petrobras, a sua dívida bruta deve ficar ao redor de US$ 87 bilhões em 2020 – o mesmo patamar do ano passado.

Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras comunicou na noite de ontem que mudará a sua métrica para medir o endividamento da empresa. O Conselho de Administração da estatal afirmou que levará em conta, para o período 2020-2024, não mais a relação dívida líquida sobre o Ebitda – lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização, mas sim a própria dívida bruta em dólares. Muitas petrolíferas calculam endividamento e outros dados financeiros em dólares, que é a moeda usada nos mercados internacionais do petróleo e gás natural.

“A revisão da métrica considerou a alta volatilidade do indicador dívida líquida-Ebitda, extremamente sensível à volatilidade do Brent, e o foco da administração da companhia na redução da sua dívida total”, informou a empresa em comunicado.

“A meta aprovada de dívida bruta para 2020 é de US$ 87 bilhões, mesmo patamar de fechamento de 2019, devido à adversidade no cenário global atual, em função dos impactos decorrentes da pandemia do Covid-19 e dos choques nos preços do petróleo”, explicou a estatal. “Cabe ressaltar que a Petrobras continua a perseguir a metade de redução da dívida bruta para US$ 60 bilhões”.

O banco Morgan Stanley avaliou que a mudança da métrica do endividamento feita pela Petrobras é bem-vinda porque “persiste o ambiente desafiador nos mercados do petróleo”. O banco avalia que a Petrobras possui “um portfólio diversificado e uma posição forte de caixa líquido para atravessar a crise sem maiores preocupações”. O Morgan Stanley mantém a nota overweight – acima da média – para a petrolífera brasileira.

 

 

Fonte: https://www.infomoney.com.br/mercados/petrobras-muda-metrica-de-endividamento-repercussao-de-balancos-de-vale-cielo-e-mais-noticias-no-radar/

Compartilhe essa notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.