Demanda menor breca produção de refinarias

Queda no preço de combustíveis nos postos não acompanha redução adotada por Petrobras

 

Com o novo corte de preços nas refinarias, que começou a valer ontem, a Petrobras acumula redução de 52% nos preços da gasolina e de 38% na tabela do diesel em 2020. A retração, contudo, não tem sido a mesma nas bombas. Os preços dos combustíveis têm caído semana a semana, para o consumidor final, nos postos, mas o repasse das quedas nas refinarias continua não ocorrendo de forma integral.

O preço da gasolina na bomba acumula queda de 10,1% neste ano, enquanto o diesel S10 recuou 11,2% desde o início do ano, até a semana encerrada no dia 18, com base nos dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

O levantamento do regulador mostra que os dois combustíveis estão em queda há 12 semanas consecutivas. O recuo, porém, se acentuou desde o choque de preços do petróleo, no mês passado. Desde março, o diesel acumula retração de 9,2%, e a gasolina, de 9,7% nas bombas. Uma queda tímida se comparada à redução de 24,3% no diesel e de 45,5% na gasolina, nas refinarias, na mesma base de comparação.

De acordo com a ANP, o litro do diesel S10 era vendido, na semana passada (12 a 18 de outubro), em média, a R$ 3,416, o patamar mais baixo, em valores nominais, desde a semana de 12 a 18 de novembro de 2017. O litro da gasolina era vendido na última semana, em média, a R$ 4,095, valor mais barato desde o período entre 17 e 23 de dezembro de 2017, desconsiderados efeitos da inflação.

A Petrobras tem pressionado publicamente pelo repasse dos seus cortes para o consumidor final. Na semana passada, o presidente da companhia, Roberto Castello Branco, chegou a afirmar que os preços não caem mais nas bombas por causa de “inimigos do capitalismo”.

“O que se espera é que, na ponta, os revendedores de combustíveis repassem para o consumidor final o corte de preços que a Petrobras tem aplicado. Espera-se que eles se comportem como bons capitalistas, e não como capitalistas inimigos do capitalismo que, sempre com o objetivo de extrair ganhos às custas do Estado e da sociedade, prosperam e minam a crença popular no funcionamento livre dos mercados”, disse Castello Branco, na ocasião, em evento on-line.

A queda dos preços dos combustíveis ocorre em momento de forte contração no consumo, devido à crise econômica decorrente da pandemia do novo coronavírus e das medidas de isolamento social como estratégia de contenção da disseminação do vírus.

O diretor da ANP, Felipe Kury, afirmou que a demanda por gasolina, na crise, tem sido 35% menor e que o mercado de diesel vive retração de 22% a 25%. Diante dessa queda, a Petrobras, inclusive, tem operado suas refinarias com capacidades ociosas cada vez maiores.

Em documento enviado a funcionários, na semana passada, a estatal informou que estava colocando “várias unidades” de processamento operando em carga mínima – ou seja, no limite necessário para garantir a segurança operacional do ativo, sem, contudo, parar a refinaria. Segundo a companhia, algumas paradas poderão ser feitas por “um período longo”. O Valor apurou que a Regap (MG) opera com menos de 40% de capacidade e que a Reduc (RJ) interrompeu a produção de lubrificantes, por exemplo.

Segundo a Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom), mesmo com as reduções, as janelas de oportunidade para importadores privados estão abertas, em meio à acentuação da trajetória de queda dos preços do petróleo no início da semana.

A entidade, que representa os principais concorrentes da Petrobras no abastecimento ao mercado doméstico, considera as despesas para internalização dos combustíveis até o porto e acrescenta a esses valores os custos com taxas portuárias e de armazenagem, além das despesas de frete até o ponto de entrega. Já a Petrobras leva em conta não só os preço dos combustíveis e variações do câmbio, mas também o nível de participação de mercado. A empresa também alega que o preço de paridade internacional (PPI) “não é um valor absoluto, único e percebido da mesma maneira por todos os agentes”.

 

 

Fonte: https://valor.globo.com/brasil/noticia/2020/04/22/demanda-menor-breca-producao-de-refinarias.ghtml

 

 

 

 

 

Compartilhe essa notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.