Brent cai 4%, sauditas oferecem crédito a refinarias e descontos profundos na Ásia

 

 Normalmente, quarta-feira é dia de divulgação de dados pela Administração de Informação de Energia (EIA, na sigla em inglês) e o WTI deveria ter caído após o último grande aumento nos estoques de petróleo dos EUA. Mas foi o Brent que sofreu o maior impacto, pois a Arábia Saudita ofereceu generosos termos de crédito às refinarias que compraram seu petróleo e grandes descontos para seus clientes asiáticos.

West Texas Intermediate, índice de referência para o petróleo dos EUA negociado em Nova York, subia 17 centavos de dólar, ou 0,85%, a US$ 20,28 por barril às 16h20 (horário de Brasília).

O WTI caiu abaixo do suporte de US$ 20 mais cedo, para a mínima da sessão de US$ 19,21, depois que a EIA, sediada em Washington, registrou um salto recorde de 19,3 milhões de barris em estoque na semana passada. A compilação ficou 65% acima das previsões e elevou os ganhos em estoque de petróleo dos EUA para quase 50 milhões nas últimas três semanas.

O WTI, no entanto, se recuperou quando os players perceberam que o crescimento dos estoques de gasolina dos EUA foi 25% abaixo da previsão. Isso ajudou a gasolina futuros a subir e apoiou os preços do petróleo. O “crack”, ou valor de refino, para o combustível também subiu.

O problema real, no entanto, estava no Brent, o índice de referência global para o petróleo negociado em Londres, que caía US$ 1,65, ou 5,5%, para US$ 27,95 por barril.

O Brent despencou após a Saudi Aramco (SE: 2222) oferecer às refinarias de petróleo da Ásia e da Europa a opção de adiar os pagamentos pelas entregas de carga em até 90 dias, enquanto as usinas lutam contra a demanda em queda, informou a Reuters.

Os termos de crédito, oferecidos pela companhia nacional de petróleo da Arábia Saudita através de bancos sauditas nas últimas semanas, foram parte dos esforços de Riad para aumentar a participação de mercado do reino, acrescentou a Reuters.

Ao mesmo tempo, a Aramco também estava oferecendo aos compradores asiáticos de seu petróleo de maio um desconto de US$ 7,30 em comparação à média concorrente de Omã/Dubai. Apenas em abril, o preço oficial de venda para a Ásia estava com um desconto de US$ 4,20 por barril.

Todas essas manobras sauditas ocorrem enquanto o reino lidera um acordo de produtores globais de petróleo para reduzir a produção em 9,7 milhões de barris diariamente, em meio à destruição da demanda de cerca de 30 milhões de bpd causada pela pandemia de coronavírus.

“Por um lado, os sauditas estão oficialmente com o mundo no corte da produção”, disse John Kilduff, sócio fundador do fundo de hedge de energia de Nova York Again Capital.

“Por outro lado, eles estão subestimando o petróleo bruto que vendem para a Ásia e oferecendo crédito fantástico para as refinarias na Ásia e na Europa. Tudo isso é perfeitamente legal, mas prejudicam as esperanças de uma rápida recuperação nos preços globais do petróleo dessa maneira.”

O Brent também foi enfraquecido pelas mais recentes perspectivas de demanda da Agência Internacional de Energia, com sede em Paris, que projetam que a demanda por petróleo caia 29 milhões de barris por dia em abril, para níveis nunca vistos em um quarto de século. Isso equivaleria a aproximadamente 29% da demanda diária de petróleo de 100 milhões de barris do mundo de 2019.

A AIE também prevê uma perda de demanda recorde de 9,3 milhões de barris por dia, em média, durante todo o ano de 2020.

Fonte: https://br.investing.com/news/comm

Compartilhe essa notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.