Banheiros limpíssimos já foram bom negócio em postos de gasolina dos EUA;

Emeados do século 20, redes americanas anunciavam infraestrutura limpa e focavam propagandas em motoristas mulheres brancas.

Os banheiros de postos de gasolina são o último lugar onde a maioria das pessoas quer parar para fazer suas necessidades.

Mas isso nem sempre foi assim. Banheiros impecáveis já foram um ponto de venda crucial para postos de gasolina.

Na verdade, os anúncios de postos de gasolina das gigantes do petróleo no início e meados do século 20 garantiam aos viajantes que seus banheiros eram tão limpos quanto os das próprias casas dos motoristas.

Texaco, Gulf, Shell, Sunoco, Esso, Phillips e outras empresas colocavam outdoors nas estradas, publicavam anúncios coloridos em revistas nacionais e criavam slogans atraentes como “Banheiros Registrados” e “Cruzada do Banheiro Limpo” para destacar suas instalações.

As empresas lutaram para superar os banheiros uns dos outros, com algumas empresas até enviando equipes de “Patrulha Branca” e “Hospedeira de Estrada” para inspecioná-los e certificá-los.

As empresas tentaram fazer com que seus banheiros fossem como os de casa em resposta ao crescente número de mulheres que dirigiam e viajavam pelo país. Em 1928, as mulheres compravam metade do combustível dos postos de gasolina naquele ano, de acordo com um jornal do setor.

As companhias petrolíferas acreditavam que as mulheres seriam as que decidiriam onde parar com suas famílias, mesmo que não estivessem dirigindo, disse Susan Spellman, historiadora da Universidade de Miami, que escreveu sua tese sobre como as mulheres influenciaram o desenvolvimento de postos de gasolina.

“Ela vai se lembrar do banheiro sujo e evitar a estação em sua próxima viagem”, dizia um artigo de 1938 na revista especializada National Petroleum News com a manchete “Mulheres evitam estações sujas”.

Ao mesmo tempo, os esforços das empresas excluíram mulheres e homens negros, que foram impedidos de usar esses banheiros no sul segregado e não eram um foco para essas empresas no norte até as décadas de 1950 e 1960.

O desenvolvimento do sistema rodoviário interestadual e a ascensão do autoatendimento marcaram o fim do apogeu dos banheiros limpos dos postos de gasolina.

Atraente para as mulheres

Na virada do século 20, motoristas de automóveis paravam em ferrarias, lojas de ferragens ou em farmácias para comprar uma lata de gasolina.

Mas a adoção em massa de carros, o desenvolvimento de estradas e a introdução da bomba de gasolina operada manualmente por volta de 1910 levaram à proliferação de postos de gasolina na calçada.

Em 1920, havia 15.000 postos de gasolina nos Estados Unidos. Muitas dessas estações, no entanto, estavam em condições precárias e seus projetos e serviços foram uma adição tardia.

À medida que a competição por clientes crescia nas décadas de 1920 e 1930, as empresas descobriram que precisavam de maneiras de separar seus postos além da marca de gasolina indistinguível que vendiam. Eles começaram a se concentrar em serviços e comodidades.

Eles buscavam atrair clientes construindo edifícios acolhedores em estilo chalé, adicionando atendentes corteses em uniformes e oferecendo uma série de serviços e vantagens, como verificações de óleo e limpeza de pára-brisas.

Na época, o público estava preocupado com a disseminação de doenças venéreas em estabelecimentos públicos. “As estações devem ser limpas para superar o crescente medo do público de sífilis”, alertou o National Petroleum News em 1938.

Banheiros melhores foram feitos para acalmar esses medos, principalmente para ajudar a atrair as mulheres.

As mulheres consistentemente listaram banheiros limpos como sua principal prioridade para frequentar um posto de gasolina, de acordo com artigos de jornais especializados durante o período investigado por Spellman.

O layout do banheiro aderiu às normas de gênero da época. Ao contrário de hoje, quando todos os clientes geralmente precisam entrar em um posto de gasolina para usar o banheiro, o banheiro feminino típico da época foi construído na parte de trás do prédio ou na lateral para dar mais privacidade às mulheres. O banheiro masculino, por outro lado, estava localizado dentro, próximo ao piso de vendas.

Os papéis de gênero na época ditavam que as mulheres eram responsáveis por qualquer coisa que envolvesse a casa, incluindo o banheiro, disse Spellman.

As empresas acreditavam que, se uma mulher tivesse uma boa experiência em um de seus banheiros, ela diria a seus amigos que os banheiros eram seguros para eles e seus filhos usarem.

No final da década de 1920, os postos de gasolina fizeram mudanças em seus banheiros para atender às mulheres, disse Spellman. As estações começaram a equipar as instalações com água quente e fria, espelhos, sabonete, papel higiênico, lavabos, mesas de maquiagem e sofás.

‘Patrulha Branca’

As empresas criaram uma enxurrada de campanhas em revistas nacionais e femininas, em outdoors e por meio de cartazes colocados do lado de fora dos postos de gasolina nas décadas de 1930 e 1940 para realçar seus banheiros limpos.

A Texaco criou um programa “Banheiro Registrado” em 1938 para suas milhares de estações em todos os 48 estados.

A empresa enviou frotas de inspetores em carros brancos – chamados de “Patrulha Branca” – para garantir que os banheiros estivessem à altura.

As estações que mantinham um conjunto de padrões foram capazes de colocar placas brancas e verdes de “Banheiro Registrado” do lado de fora de suas paradas, um sinal para os clientes de que os banheiros eram seguros.

“Uma nova cruzada nas estradas da América… a Patrulha Branca”, dizia um anúncio da Texaco de 1938 na revista Collier’s. “Em cada vagão… inspetores treinados” garantem “banheiros super limpos, totalmente equipados para o seu conforto.”

Outro anúncio da Texaco visava explicitamente as mulheres: “Nossa ‘Sala de Maquiagem’ em todas as estradas”.

“Você tem sorte, Betty”, diz uma mãe à filha no anúncio. “Lembro-me de quando era difícil encontrar banheiros limpos e atraentes como este.”

A Phillips 66 lançou um programa semelhante de “Salas de Descanso Limpas Certificadas” na mesma época e enviou “Hospedeiras de estrada” – enfermeiras registradas em uniformes azuis de estilo militar – para inspecionar as condições.

A Shell respondeu com sua campanha publicitária “Cruz Branca de Limpeza” em parceria com a Good Housekeeping Magazine. Postos Shell colocaram placas alertando os clientes de que os banheiros eram mantidos “Limpos Como em Casa” de acordo com os padrões da revista.

Os postos de gasolina continuaram a anunciar com destaque as condições do banheiro nas décadas seguintes. A Texaco na década de 1960, por exemplo, exibia comerciais de televisão destacando seus banheiros. Banheiros “limpos e arrumados” são “algo que uma dama realmente aprecia”, diz o narrador.

Imagens de mães e filhas, enfermeiras, luvas brancas e outros temas pretendiam tranquilizar as mulheres brancas, em particular, sobre os padrões de banheiro dos postos de gasolina. Motoristas negros foram excluídos das estratégias das empresas.

“É um apelo a um mundo doméstico de mulheres brancas”, disse Mia Bay, historiadora da Universidade da Pensilvânia e autora de “Traveling Black: A Story of Race and Resistance” (Negro Viajante: Uma História de Raça e Resistência, em tradução livre). A publicidade dos postos de gasolina na época tentava transmitir “espaços seguros para mulheres brancas”.

No Jim Crow South, as leis de segregação exigiam instalações separadas para negros e brancos. E havia poucos “banheiros para pessoas de cor” separados nos principais postos de gasolina, disse Bay.

Ela acrescentou que os motoristas negros no sul normalmente eram forçados a procurar postos de gasolina de donos negros, que muitas vezes eram anunciados em livros de viagem para motoristas negros – ou ir pelos fundos ou do lado de fora dos postos de gasolina das grandes empresas.

Mudanças

Então, como os postos de gasolina passaram de uma propaganda tão proeminente de seus banheiros limpos para a péssima reputação que têm hoje?

Existem algumas razões, dizem os historiadores de postos de gasolina e instalações públicas.

“O desenvolvimento do sistema rodoviário interestadual e as paradas para descanso ao longo da rodovia reduziram a importância dos banheiros dos postos de gasolina”, disse Matt Anderson, curador de transporte do museu Henry Ford, em Michigan. “Seria mais rápido entrar em uma área de descanso do que sair da rodovia e encontrar um posto de gasolina.”

“Postos de gasolina pararam de apresentar banheiros diretamente em suas campanhas publicitárias e, no final da década de 1960, os ‘banheiros’ dos postos estavam começando a ter uma má reputação”, acrescentou Anderson.

Nas grandes cidades, muitos proprietários de postos de gasolina decidiram que o custo e o esforço envolvidos na manutenção de seus banheiros não valiam mais a pena – especialmente porque os banheiros públicos municipais e estaduais fecharam e mais pessoas inundaram os postos de gasolina, disse Bryant Simon, historiador na Temple University, que está trabalhando em um livro sobre a história dos banheiros públicos nos Estados Unidos.

“Os (donos de) postos de gasolina ficaram chateados com o governo terceirizando os banheiros para eles”, afirmou Simon. “Eles veem isso como um dreno em sua linha de fundo.”

À medida que as estações se concentravam menos na manutenção, os banheiros se deterioravam e os clientes os tratavam pior, destacou Simon, descrevendo-o como “espiral viciosa”.

As condições dos banheiros também caíram quando os preços do gás dispararam na década de 1970 e o autoatendimento substituiu os atendentes dos postos.

Os motoristas ficaram mais focados em encontrar o combustível mais barato – não o posto com o banheiro mais limpo ou o melhor serviço – e muitos estavam dispostos a sacrificar os banheiros limpos se isso significasse economizar alguns centavos por galão.

“O gás se tornou mais transacional com o autoatendimento”, disse Simon. “Serviço e comodidades ficam no esquecimento.”

No entanto, um punhado de redes de postos de gasolina hoje ainda empresta táticas da era anterior de oferecer banheiros limpos como forma de atrair clientes.

A Kwik Trip, no centro-oeste americano, coloca uma placa de “Promessa de Banheiro Limpo” em todos os banheiros com o nome do CEO Don Zietlow e um número de linha direta para reclamações. Zietlow recebe e responde pessoalmente a todas as chamadas.

Já o Buc-ee’s no Texas é regularmente classificado como tendo os banheiros mais bem avaliados do setor de postos de gasolina.

A empresa usa outdoors ao longo da rodovia para anunciar suas instalações, incluindo “Duas principais razões para parar no Buc-ee’s: número 1 e número 2” e “banheiros que você precisa fazer xixi para acreditar”.

 

Fonte: https://www.cnnbrasil.com.br/business/banheiros-limpissimos-ja-foram-bom-negocio-em-postos-de-gasolina-dos-eua-veja-o-que-mudou/

Compartilhe essa notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.