Abicom diz que não há espaço para reduzir preços dos combustíveis

A pressão pela queda dos preços ganhou reforço do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP/AL).

 

A elevada volatilidade dos preços do petróleo e dos combustíveis no mercado internacional impede a Petrobras de reduzir os valores de gasolina e óleo diesel no país. É o que aponta levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).

— Os reajustes promovidos pela Petrobras na semana passada fizeram os preços do diesel ficarem acima da paridade internacional. Entretanto, mostra a Abicom, a gasolina já está R$ 0,40 defasada em relação ao mercado externo, e o diesel apresenta defasagem de R$ 0,20. O que cria uma janela para novos aumentos.

– “As janelas, tanto para diesel quanto para gasolina, já estão totalmente fechadas. Não existe possibilidade de a Petrobras reduzir preços, como ela tem sido pressionada. Pontualmente, por muito pouco tempo, o preço do diesel ficou acima da paridade. Voltou a ter espaço para novo aumento, que eu acredito também que não é o momento. Tem de esperar uma estabilização maior”, disse à epbr o presidente da Abicom, Sergio Araujo.

— A pressão pela queda dos preços ganhou reforço do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP/AL), que cobrou da Petrobras um recuo no aumento dos combustíveis da semana passada, em razão da queda do preço do petróleo.

— “Não precisava ter dado a aumento que deu, do tamanho que deu, de uma vez só. O barril sobe a gente aumenta, e o barril baixa a gente mantém? É preciso que a Petrobras recue o preço e o aumento que deu”, cobrou Lira.

— Defendeu subsídios aos combustíveis por categorias profissionais, como motoristas de aplicativos, motoboys e caminhoneiros. E disse que o contexto da guerra da Ucrânia exige sensibilidade política e, mesmo em ano de eleição, determinados setores são mais vulneráveis à elevação dos preços.

— “Acho que um subsídio amplo atende quem pode arcar com a inflação no mundo e a gente tem que privilegiar quem não pode [arcar com esse aumento].”

— Em relação ao PL 1472/21, que cria um fundo de estabilização dos preços e foi aprovado no Senado semana passada, o presidente da Câmara afirmou que ainda “está fora do radar”Agência Câmara

— Já o presidente Jair Bolsonaro (PL) manteve sua artilharia contra a Petrobras e contra o presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna. Em entrevista à TV Ponta Negra, do SBT, nessa quarta (16/3), afirmou que a Petrobras cometeu um “crime” contra a população ao não ter esperado um dia para realizar o reajuste de preços dos combustíveis. E que “é impagável o preço dos combustíveis no Brasil” e que a “Petrobras não colabora com nada”.

— Bolsonaro ainda disse que, por ele, a empresa “poderia ser privatizada hoje” para “ficar livre do problema” e repetiu que a companhia se transformou na “Petrobras Futebol Clube” e que “o clubinho lá de dentro só pensa neles”. Correio Braziliense

— O presidente admitiu que soube com antecedência do reajuste e que pediu à estatal para atrasar a medida em um dia, para depois da votação do PLP 11/20, que alterou o ICMS dos combustíveis, mas não foi atendido. Estadão

— Mas, apesar de constantemente se isentar em relação à escalada dos preços dos combustíveis, Bolsonaro foi apontado como responsável pelo aumento por 86% das manifestações no Twitter sobre o tema, aponta levantamento realizado pelo estúdio de análise de dados Novelo Data. Estadão

— Na linha de defesa de Silva e Luna e da Petrobras, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) disse que a tendência é de que os preços dos combustíveis caiam nos próximos dias, mas que o litro da gasolina deverá se manter acima de R$ 6. R7

Leia em epbr 

– A verdade sobre o nível de produção das refinarias da Petrobras, por Rodrigo Lima e Silva. O diretor de Refino e Gás Natural da Petrobras diz que refinarias da empresa já operam com capacidade máxima, considerando as condições adequadas de produção, segurança, rentabilidade e logística

– Verdade inconveniente: ociosidade do refino como instrumento para aumentar preços da gasolina. Coordenador da assessoria técnica da Liderança do Novo na Câmara dos Deputados, Ricardo Borges Gomide aponta que a ausência de concorrência no refino pode gerar controle da ociosidade dos parques por governos.

Petróleo recua com conversas entre Rússia e Ucrânia e estoques dos EUA Os preços do petróleo caíram pela quinta vez nos últimos seis dias nessa quarta (16/3), com algum avanço nas negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia e a um aumento surpreendente nos estoques dos EUA.

— O Brent foi negociado em um intervalo de 6 dólares, entre US$ 97,55 e US$ 103,70, antes de fechar a US$ 98,02 o barril, queda de 1,89 dólar ou 1,9%. O WTI fechou com recuo de 1,40 dólar, ou 1,5%, a US$ 95,04 o barril. Reuters

— Os estoques de petróleo dos EUA subiram 4,345 milhões de barris na semana passada, para 415,907 milhões de unidades, apontou o Departamento de Energia dos EUA (DoE, na sigla em inglês) nessa quarta. A previsão de alguns analistas era de queda de 1,8 milhão de barris no período. Valor

IEA: guerra vai gerar déficit, a menos que Opep aumente oferta Em relatório mensal divulgado nessa quarta (16/3), a Agência Internacional de Energia (IEA, sigla em inglês) estima que a guerra na Ucrânia poderá tirar 3 milhões de bpd de petróleo da Rússia dos mercados globais a partir de abril. Isso vai gerar um déficit, a menos que grandes produtores ampliem sua oferta.

— A agência diz que os mercados de energia estão diante da maior crise de oferta em décadas, que poderá resultar em mudanças duradouras. E cortou sua previsão para a oferta global em 2022 em 2 milhões de bpd, a 99,5 milhões de bpd, com base no que a Opep+ e aliados concordou em produzir. Pelos cálculos da AIE, a oferta da Opep+ está 1,1 milhão de bpd abaixo de sua meta. Estadão

Piloto de helicóptero com petroleiros da Petrobras morre após pouso no mar O piloto de um helicóptero que transportava funcionários da Petrobras de Salvador para a plataforma de Manati, no litoral da Bahia, morreu após fazer um pouso de emergência na Baía de Camamu. Outras 12 pessoas ficaram feridas. UOL

ICMS reduzido para biogás e biometano no RJ A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou na terça (15/3) um projeto de lei que reduz o ICMS, de 20% para 12%, sobre biogás e biometano. O PL 5475/2022 segue para sanção do governador Cláudio Castro (PL) e foi proposto pelo próprio governo.

— As empresas que aderirem ao regime diferenciado de tributação terão de apresentar os “resultados socioeconômicos e ambientais” em função do benefício tributário, especialmente na geração de emprego e renda.

— O Rio de Janeiro tem duas plantas de biometano, em Seropédica e em São Pedro da Aldeia. Em janeiro, o Grupo Urca adquiriu os negócios da Gás Verde para controlar a usina de Seropédica e outras duas plantas. As três unidades, juntas, devem gerar mais de 400 mil m³/dia de biometano até 2024.

Neoenergia obtém recursos do BEI para financiar renováveis O Banco Europeu de Investimento (BEI) concedeu empréstimo de 200 milhões de euros à Neoenergia para o financiamento de projetos de energias renováveis no Brasil.

— Os recursos serão usados no parque eólico de Chafariz, que recentemente entrou em operação, e no projeto solar de Luzia, ambos na Paraíba, bem como no parque eólico Oitis, entre a Bahia e o Piauí. A capacidade global instalada dos projetos é de 715,5 MW – 566,5 MW eólicos e 149 MWp fotovoltaicos.

Índice Comerc: consumo de energia cresce 6,21% em fevereiro O consumo de energia em fevereiro verificado pelo Índice Comerc registrou alta de 6,21% em fevereiro, ante janeiro. Já no consolidado anual, houve ligeira retração, de -0,94%, em comparação a fevereiro de 2021.

— Destaque para o setor de Veículos e Autopeças, que cresceu 18,98% na comparação com janeiro e 1,55% em relação a fevereiro de 2021.

— O Índice Comerc verifica o consumo de mais 3.200 unidades de sua carteira, pertencentes a cerca de 1.525 empresas de 11 setores industriais que compram energia elétrica no mercado livre.

Santander dobra crédito para solar e prevê novo salto em 2022 O Santander liberou R$ 5,3 bilhões em 2021 para financiar a compra de equipamentos e a instalação de sistemas de energia solar em residências e empresas. Foi o terceiro ano consecutivo que os volumes concedidos pelo banco para o segmento dobraram.

— A expectativa para 2022 é novamente dobrar a carteira, na esteira da corrida por instalações antes das mudanças previstas na nova lei do segmento. Reuters

Instalações de painéis fotovoltaicos triplicaram em São Paulo em 2021 A demanda por instalação de painéis solares fotovoltaicos em casas e estabelecimentos comerciais triplicou na capital paulista em 2021 em comparação a 2020, de acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar).

— O número de novas conexões passou de 756 em 2020 para 2.113 em 2021. Foram 793 novos consumidores em 2020 e 2.198 no ano passado. Em termos de potência instalada, foram 6,9 MW em 2020 e 16,2 MW em 2021.

Fonte: https://epbr.com.br/abicom-diz-que-nao-ha-espaco-para-reduzir-precos-dos-combustiveis/

Compartilhe essa notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.